BlogBlogs.Com.Br
Seja bem-vindo ao blog Consciência Acadêmica.

Impressões pessoais sobre notícias ou sobre episódios cotidianos, além de informações de utilidade pública.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Calamidade 1

Há dez anos, espalhou-se um boato de que Nostradamus havia previsto o fim do mundo para 11 de agosto de 1999. Embora eu não acreditasse no que Nostradamus teria dito, eu fiquei com as "barbas de molho". Sentei-me, comecei a pensar com meus botões, repassando minha vida e rezei. Tomei logo aquela atitude por precaução. Eu não acreditava muito naquela história, mas sentia que aconteceria alguma coisa diferente, naqueles dias. Eu tinha ouvido falar das aparições de Nossa Senhora em Medjugorjie, uma cidadezinha da ex-Iugoslávia, onde, por sinal, estava acontecendo, naquele ano, a Guerra de Kosovo. Aquelas aparições haviam se iniciado mais ou menos quando eu nasci. Se elas continuam, não sei. Nossa Senhora falava com um grupo de jovens e às vezes falava sobre o ocaso da história da humanidade, tal como a conhecemos. Foi por causa daquelas aparições que eu e minha família ficamos receosos. Comentei sobre isso com um padre, quando me confessei, e ele disse que aquelas aparições ainda não tinham o reconhecimento oficial do Vaticano. Não entendi o porquê disso. Por que Nossa Senhora não compareceu pessoalmente diante do papa, para que a Igreja acreditasse??? Talvez Deus, por meio de sua Corte Celeste, prefira se manifestar aos mais humildes cujas palavras são mais desacreditadas. Saiba mais sobre as aparições de Medjugorjie em:

http://www.catolicanet.com/?system=news&action=read&id=43919&eid=301.

http://www.medjugorjebrasil.com/?cat=artigos&id=228.

Naquele tempo, como você já sabe, eu cursava medicina veterinária. Ainda estava de férias naquela semana e seria realizado na minha faculdade, em Fortaleza, o Encontro Nacional dos Estudantes de Veterinária. Por causa daquela ameaça de fim de mundo, minha mãe não me deu dinheiro e não me deixou participar do encontro. Mas tudo bem. Não deve ter tido muita graça. Muita gente deixou de ir pelo mesmo motivo.

Realmente aconteceu algo diferente naqueles dias, mas nada que afetasse diretamente minha vida. Na manhã de 11 de agosto, por volta das nove, segundo o Horário de Brasília, houve um eclipse total do sol, que só foi visualizado por quem estava em alguns lugares do Hemisfério Norte, como a Turquia:

http://www.cdcc.usp.br/cda/eventos/1999/eclipse081199/eclipse08-11-99.html.

http://www.mat.uc.pt/~helios/Mestre/H02eclip.htm.

http://astro.if.ufrgs.br/fase/eclipse1999/index.html.

Teve gente que associou aquele eclipse ao fim do mundo. Quanta besteira! Esse fenômeno acontece há milhares de anos, desde que o sol e a lua existem.

Coincidência ou não, dias depois, houve um grande terremoto na Turquia, um dos locais onde o eclipse foi visto. Depois veio uma série de terremotos que afetou a região até o fim daquele ano (http://veja.abril.com.br/250899/p_050.html).

Os textos nos seguintes endereços comentam sobre essas histórias de profecias sobre o futuro que surgem de todos os lados e que causam tanta polêmica que nos deixam cegos a ponto de nos desesperarmos e nos esquecermos de viver nossas vidas e de fazer o melhor pelos semelhantes:

http://www.apocalipse2000.com.br/nostradamus.htm.

http://recantodasletras.uol.com.br/ensaios/1365073.

O texto da primeira página referida tenta desmentir lendas a respeito das supostas profecias de Nostradamus, haja vista que todas as tragédias do mundo moderno são atribuídas às tais profecias. Eu não acredito nelas. Talvez estejam atribuindo aleatoriamente frases dele à quaisquer eventos depois que eles ocorrem. Além disso, já atribuíram a ele diversas datas previstas para o fim do mundo.

Como diz o texto da última página referida, realmente o mundo já está se acabando. Eu já não reconheço mais os lugares por onde eu andava, nem os lugares onde eu vivi. Aqueles lugares já foram melhores. Já não posso mais sair de casa tranquilamente da maneira que eu quiser. Já não posso circular nem de carro, pois as ruas e estradas estão desaparecendo. Já não posso mais viver em casas sem grades nas portas e nas janelas, sem muro alto, sem cerca elétrica e sem cachorro bravo. Já não posso respirar até encher os pulmões de ar porque ele está cheio de fumaça ou de vírus. Já não posso comer uma fruta nem uma verdura porque estão cheias de agrotóxicos. Já não posso sair de casa sem protetor solar, sem roupas leves e sem que elas fiquem ensopadas de suor porque as árvores que eu plantei foram derrubadas e nos lugares delas plantaram concretos. Então me sinto sufocado, porque estou cercado por concretos e a atmosfera está cheia de gás calorento. O mundo está ficando inóspito e insalubre. Já não vejo mais a mesma graça que eu via no mundo quando eu era mais jovem. Fazer o quê? Dizem que águas passadas não movem moinhos.

O mesmo texto também diz que somos gado. E somos mesmo, porque deixamos que nos levem para qualquer lugar. Somos submissos demais e não sabemos nos libertar. Optamos pela idolatria e aceitamos tudo que nos oferecem. Achamos que tudo o que eles dizem ou fazem é sagrado. Não temos outro ponto de vista. Não temos alternativa a não ser dizer amém, quando o dono das terras se espreguiça no alpendre da casa grande e em seguida monta em seu cavalo. Ele sai galopando e dizendo o que cada cabeça de gado deve fazer, como se posicionar no pasto e como abaixar a cabeça para pastar e ruminar. Ele adora ser fotografado ou filmado enquanto está galopando entre seu rebanho. Para nós, o tempo parou, mas apesar de tudo, achamos que somos felizes. Como diria Zé Ramalho (http://conscienciaacademica.blogspot.com/2009/07/56-edicao-de-2009.html), somos povo marcado, mas somos felizes por aceitarmos que o populismo nos governe.

Em uma próxima postagem, retomarei o raciocínio sobre o fim do mundo. Por enquanto, como hoje é dia do estudante, deleite-se com o vídeo de "Coração de estudante", por Nilton Nascimento e com a participação de Roberto Carlos.


 



 


 


 

 

3 comentários:

Giane disse...

E a próxima data para o fim do mundo está fixada para o ano de 2012. O mês e o dia - se houver - eu não sei.
É, Amigo Ynot.
Certas coisas mudam, outras evoluem, poucas estagnam e outras infelizmente, mais que piorar, involuem.

Beijos mil!!!

Daniel disse...

Nunca acreditei nessas profecias malucas. Um abraço.

http://contesta-acao.blogspot.com

Robson Fernando disse...

Obrigado, Ynot!

Seu blog também é bastante interessante nos assuntos que expõe.

Se quiser parceria, é só dizer.